Quem é e o que procura o consumidor 4.0?

A quarta revolução industrial representa a transição dos processos logísticos tradicionais em direção a novos planejamentos técnico-científicos, concebidos mediante desdobramentos processuais da revolução digital. 

Transformação tecnológica e inovação são termos que regem comportamentos comerciais, seja no marketing, na gestão organizacional ou até mesmo no atendimento ao cliente. Atualmente, por exemplo, é impossível separar o consumidor que compra online daquele que utiliza apenas meios físicos.

Há alguns anos, empreendimentos e compras onlines simplesmente não existiam, e programas de automação eram usados com exclusividade por poucas — e grandes — empresas. A metamorfose do mercado, porém, associada às transformações sociais, revela por meio das tendências um panorama para o amanhã.

A maneira operacional das indústrias mudaram, assim como lojas, necessidades e clientes. O domínio técnico de cada etapa compositora de um processo geral, vinculado à captação e processamento de dados, expõe a atual demanda de aprimorar experiências comerciais individuais e de focar no crescente segmento varejista.

Etapas do consumidor

Para compreender os aspectos gerais do consumidor atual devemos retroceder uma etapa: o consumidor 3.0.

Já apresentando níveis de exigências maiores, a demanda segmentada é conveniência obrigatória. As marcas sentiram nos números a real necessidade de conhecer e conquistar o público mais a fundo.

A busca era por inclusão e pertencimento. O cliente estava cada vez mais passível às campanhas publicitárias que assumiam opiniões e posições, expondo a personalidade da empresa — que seria, ou não, correspondida por determinados grupos alvos.

Consequentemente, as características organizacionais tenderiam ao alinhamento com o pensamento do consumidor — e vice-versa. A exigência dos clientes passou a moldar o marketing, e a propaganda passou a influenciar pensamentos.

Assim, o consumidor 3.0 mudou sua condição de receptor indiferente e passou a ser uma das partes essenciais no ciclo funcional das empresas.

Consumidor 4.0

O consumidor atual, 4.0, corresponde em seu aspecto a todas as características da geração anterior. Um elemento pertencente à categoria, porém, é fator diferencial: tecnologia.

A linhagem de comportamentos e demandas seguiu regularmente a tendência 3.0. No entanto, o acesso às tecnologias ocorre hoje de maneira ampla e ininterrupta. O acelerado progresso digital alterou as estruturas sociais e interpessoais, impactando, evidentemente, no consumo.

Além do posicionamento ideológico alinhado ao pensamento e a identificação de valores com a marca — construções incontestáveis —, o consumidor 4.0 exige alternativas, comunicações e relações convergidas ao universo digital.   

Trabalho, estudos, entretenimento, alimentação, transporte… Nos dias atuais, é impensável considerar uma rotina afastada de aplicativos e redes sociais. A maneira como consumimos conteúdos e materiais foi amplamente impactada pelos desdobramentos da internet, e essa relação modificou todos os campos de influência ao nosso redor.

Consumo direto e rápido

No intuito comercial, as empresas necessitaram se adequar à era digital. Mas era preciso ir além do perfil ativo nas redes sociais, exposição de produtos e publicidade engajada.

A presença nas redes deve compreender os mínimos fatores capazes de motivar transações comerciais. O consumidor 4.0, por exemplo, preza pelo atendimento qualificado, exigindo das lojas a implementação de canais digitais que atendam demandas específicas.

Simplicidade e conveniência são características fundamentais na prestação de serviços dessa etapa de consumo. O 4.0 é direto e até mesmo minimalista quando se trata de processos.

Assim, a exibição de produtos, serviços, preços e especificações devem ser francos e imediatos, bem como os meios de comunicação qualificados em resolver problemas rapidamente.

Se a internet é usada constantemente, é nela que deve se concentrar os principais processos de compra.

As demandas do novo consumidor

Ao navegar por sites de diferentes lojas, o usuário não se distingue como cliente. Não se trata, então, de abordar consumidores, mas sim de tratar pessoas. O social alterou atividades e hábitos, bem como a maneira de consumo.

Comprar tudo aquilo que se deseja sem precisar sair de casa, podendo buscar e comparar preços entre incontáveis estabelecimentos, são benefícios que o consumidor 4.0 busca.

Liberdade de escolha, variedade absoluta e comodidade para comprar e receber produtos e serviços são concepções ligadas à tecnologia que possibilitaram a modificação do mercado mundial.

É necessário, em meio ao universo comercial interconectado e extremamente múltiplo, atingir esse novo consumidor de alguma forma. Hoje, esse alcance ocorre por meio do acréscimo dos pontos de venda e contato, que busca tocar os clientes e melhor atendê-lo.

Múltiplos canais

Foi seguindo a necessidade de segurar o consumidor por algum lado que o omnichannel conquistou forças no mercado.

Podemos definir a expressão como uma estratégia de conteúdo entre os canais utilizados por uma companhia para melhorar a experiência do usuário. Nessa alternativa, os meios de comunicação e seus recursos de suporte são constituídos e administrados para cooperarem de maneira horizontal e conjunta.

O comportamento do consumidor 4.0 aponta para a importância do atendimento satisfatório que gera melhores experiências e, consequentemente, promove a fidelização e o aumento de vendas.

Presente e futuro

As exigências, hábitos e demandas do consumidor 4.0 são reflexos diretos do progresso tecnológico advindo da era digital. A internet e seus meios funcionais — aplicativos, sites, redes sociais — adquiriram as comodidades necessárias à liberdade identitária do novo consumidor.

Resultado de fragmentações técnico-científicas, o consumidor 4.0 é a tendência do hoje que influencia o amanhã.

Os comentários estão encerrados.

Dúvidas? Confira nosso FAQ